Entre os dias 13 e 16 de novembro aconteceu o Interaction South America 2013, evento indispensável para qualquer profissional de UX / Design de Interação, e que trouxe nomes como Bill Buxton (Microsoft Research), Louis Rosenfeld (do best-seller Information Architecture for the World Wide Web) e Josh Seiden (do Lean UX, publicação da série Lean Startup).

A convite do UX.BLOG, venho fazer um breve overview de alguns dos pontos mais importantes que pude acompanhar nos dois últimos dias do ISA’13 (palestras principais). Mesmo com alguns pequenos contra-tempos no primeiro dia de evento, o grande empenho e esforço de todos os envolvidos na organização e colaboração fizeram esse grande encontro manter-se em alto nível.

Interaction South America 2013

Serendipismo, reconhecimento profissional e pesquisas com usuários

O primeiro dia de palestras começou com uma apresentação sobre Serendipismo do americano Dave Malouf, que possui um backgroundcomposto por antropologia, design, tecnologia, educação e gestão, e expos toda essa mescla de conhecimentos sob o tema Serendipity by Design: Why Design Works. O Serendipismo, que se refere às descobertas afortunadas feitas por acaso, e que é um conceito bastante comum nas abordagens sobre Gamification, também foi tema da apresentação do grandalhão holandês Arne van Oosteromo, que abordou o tema através da palestra When Serendipity Happens.

Já o argentino Santiago Bustelo trouxe para o centro das discussões uma questão que afeta a maioria dos profissionais no mercado de UX. Ao perguntar para a platéia quantos deles se sentiam reconhecidos ou respeitados em suas profissões, obteve um índice muito baixo de respostas positivas, constatação essa que infelizmente não é surpresa para nós brasileiros. A partir deste tema, ele deu inicio a sua apresentação On earning respect and doing what we love, baseada em três pilares para o sucesso, profissionalismo, liderança e empreendedorismo.

Já no final da tarde, Josh Seiden, autor do livro Lean UX: Applying Lean Principles to Improve User Experience, falou em sua apresentação sobre a experiência do usuário em um mundo em rápida transformação.Josh citou que as corporações de hoje tem que se adaptar rapidamente as mudanças, com times pequenos e funcionais, desenvolvendo projetos menores e gerenciando resultados, e dessa forma ir evoluindo gradativamente. Para quem leu o livro dele sobre Lean UX, talvez a palestra não tenha trazido grandes novidades sobre o assunto.

Fechando o primeiro dia de palestras, uma das figuras mais aguardadas do evento surge no palco do ISA’13. O conceituado Lou Rosenfeld (que junto com Peter Morville escreveu clássico livro Information Architecture for the World Wide Web, com a famosa capa do urso polar) nos trouxe o tema Seeing the Elephant: Defragmenting User Research, discutindo a utilização de métodos de pesquisa quantitativos para analisar o comportamento dos usuários e entender aquilo que está acontecendo, e métodos de pesquisas qualitativos para analisar as intenções e motivos dos usuários, explicando o porque as coisas acontecem.

Web Social, Service Design Thinking, UX Mobile e outras histórias

O segundo dia de palestras começou com a americana Dana Chisnell, fundadora do UsabilityWorks, pesquisadora independente e consultora de várias empresas como Yahoo!, Intuit, AARP, Wells Fargo eSun Microsystems. Dana levantou a discussão sobre a web social, dizendo que precisamos repensar as pesquisas de usuário e os testes de usabilidade para um formato mais alinhado com a atual conjuntura, onde temos interações mais fluidas, dependentes do contexto, e com relações provocadas pela tecnologia.

Interaction South America 2013

Em seguida subiu ao palco o austríaco Marc Stickdorn, editor e co-autor de livros como This is Service Design Thinking e Service Design and Tourism, e responsável por conhecidas ferramentas de inovação em serviços como o Customer Journey Canvas, myServiceFellow esmaply. Marc apresentou um case de aplicação de Design Thinking Service no sistema de turismo, mostrando a jornada e a experiência dos usuários em todo processo, desde a compra de passagem, a viagem, o pós-venda, a gestão e a melhoria contínua do projeto com foco na experiência de serviço.

No final da tarde foi a vez Jared Spool, fundador da User Interface Engineering, a maior empresa de pesquisa em usabilidade do mundo. Jared falou sobre a criação de interfaces amigáveis para mobile, indicando que devemos focar a experiência nos elementos que são realmente essenciais para o projeto. Jared citou a Lei de Sturgeon (que diz que “90% de qualquer coisa é lixo”) para mostrar como a maioria das interfaces hoje são pouco objetivas e possuem falhas em excesso.

E para encerrar a noite, ninguém menos que Bill Buxton, que é Principal Researcher na Microsoft Research, professor na Technical University of Eindhoven e na Universidade de Toronto. Bill trouxe a reflexão sobre que tipo de relação esperamos que as pessoas tenham com as interfaces que projetamos, e questionou se realmente estamos pensando nisso. Bill ainda enfatizou que para projetarmos experiências inovadoras a partir de boas ideias, precisamos aprender a olhar para as coisas certas, e dar menos importância aos mitos que envolvem o mundo do design. Com certeza foi a apresentação mais inspiradora do #ISA2103.

A designer de interação Melina Alves fez um pequeno registro da palestra do Bill Buxton, que vocês podem ver abaixo.

Gostaria de agradecer e parabenizar a toda equipe do Interaction South America 2013, e principalmente ao Emiliano Abad, que juntamente com o UX.BLOG me proporcionou ótimos dias de muita informação, interação e networking. Vejo vocês no Interaction South America 2014, em Buenos Aires 😉

***

Com a colaboração de Edu Agni